Novo ano, novos desafios

Delegados e coordenadores dos diferentes centros locais dos Salesianos Cooperadores (SSCC) reuniram-se, no passado sábado, dia 3 de outubro, via plataforma Zoom, para uma reunião online que marcou o arranque de mais um ano Pastoral. 

Estiveram presentes representantes dos centros de Arcozelo, Galiza, Monte Estoril, Paderne, Paranhos da Beira, Setúbal, Viana do Castelo, Vendas Novas, Estoril, Manique, Porto, Évora, Ponte de Vagos, Arouca, Poiares, Mogofores, Funchal, Lisboa, Mirandela, bem como o Provincial dos SDB, Padre Aníbal Mendonça e a Provincial das FMA, Irmã Rosa Cândida Gomes.

Os representantes dos grupos dos SSCC foram convidados a partilhar as experiências vividas durante estes tempos de pandemia e tudo o que fizeram e estão a pensar fazer para manterem os centros locais em atividade e unidos.

De entre as principais ideias partilhadas destaque para o envio de cartas, orações às portas e às janelas dos SSCC mais idosos ou envio de mensagens via telemóvel.

No final deste encontro ficou decidido que, para fazer face a estes novos tempos, e de modo a manter todos os grupos em funcionamento, cada centro local deverá adequar as atividades à sua realidade.

Assim, os delegados e coordenadores ficam com a grande responsabilidade de dinamizar os seus centros, sempre apoiados pelo Conselho Provincial, que mantém a sua disponibilidade em termos de acompanhamento, formação e apoio aos diferentes grupos.

33.ª Peregrinação Nac. ao Santuário de N.ª Sr.ª Auxiliadora | Mogofores

Ir. M.ª Fernanda Afonso, Delegada Nacional da FS

A viagem dos peregrinos que se deslocaram até ao Santuário de Nossa Senhora Auxiliadora, em Mogofores, terá começado bem cedo de norte a sul, e foram muitos os que se quiseram juntar à 33.ª Peregrinação Nacional Anual da Família Salesiana a este Santuário, mais de 500. 

O Tema da peregrinação foi: “Com Maria, somos Missão. Batizados e Enviados”. Estivemos em sintonia com a Peregrinação Nacional convocada este ano pela Comissão Episcopal Portuguesa para o Santuário de Fátima, no mesmo dia.

A Comunidade SDB de Mogofores, os membros da Comunidade Paroquial que animam os grupos locais de Salesianos Cooperadores e de Associados de Maria Auxiliadora e a própria Comunidade Educativa, assim como o Movimento das Famílias de Caná, esmeraram-se no acolhimento e acompanhamento dos peregrinos. Reinaram com muito gosto os lindos arranjos de flores e o acolhimento personalizado quer à entrada, quer na hora do almoço. A Família Salesiana de Mogofores foi uma excelente anfitriã, obrigado a todos os que colaboraram.

Durante a manhã, uma “Família de Caná”, formada pelos pais e seis filhos, desde os 2 anos aos 19 anos, orientaram a oração da manhã, de uma forma encantadora e profunda. Seguidamente fomos saudados pelo Provincial, Sr. Pe. José Aníbal Mendonça. O Delegado da Família Salesiana, Sr. P. Joaquim Taveira deu as indicações para o dia e seguiu-se o aprofundamento do Tema: “Com Maria, somos Missão. Batizados e Enviados” desenvolvido pelo Sr. P. Silvio Faria, SDB com a colaboração de jovens que deram testemunho da sua forma de viver a missão, em várias actividades de voluntariado. Duas antigas alunas de Manique falaram da sua experiência local e outros dois animadores do MJS falaram da experiência missionária em Cabo Verde no passado Verão.

Para finalizar o encontro o Pe. Sílvio Faria apresentou um resumo de 12 passos para uma espiritualidade missionária, inspirados na leitura da evangelli gaudium do Papa Francisco, que aqui recordamos:

  1. Cultivar a relação pessoal com Deus; 
  2. Procurar ser semelhante a Cristo; 
  3. Estar aberto aos dons do Espírito; 
  4. Assumir com convicção a própria missão; 
  5. Assumir a solidariedade de companheiros de caminho na fé; 
  6. Ser grato pelo bem que há na Igreja;
  7. Encontrar um novo estilo de relacionamento; 
  8. Viver o espirito de servir; 
  9. Encontrar Cristo nos pobres; 
  10. Distinguir os espíritos; 
  11. Resistir às tentações; 
  12. Descobrir a força da oração de intercessão. 
    (Cf. AUGUSTIN George, Eu sou uma missão. Testemunho cristão de vida. Paulinas 2019, pp. 135-158) 

Após o intervalo, que permite o tão desejado encontro entre pessoas que há muito não se vêem, tivemos, no Santuário, bem cheiinho, o momento mais alto da Peregrinação, a Eucaristia Dominical, presidida pelo Sr. P. Provincial e concelebrada por mais 16 sacerdotes, com a colaboração de muitos acólitos/as de várias idades, muito atentos aos vários serviços litúrgicos. Participaram ativamente representantes dos vários grupos da Família Salesiana presentes. Foi um tempo sem tempo!

De tarde, após o tempo de almoço, sempre pequeno para convívio entre os vários grupos de peregrinos, reunimo-nos para honrar Nossa Senhora e implorar, por sua intercessão, muitas graças, algumas escritas junto aos andores de Maria Auxiliadora e Maria, Mãe de Caná, realizando a Procissão e a oração do Terço pelas ruas de Mogofores. Acompanhou-nos a já conhecida Banda Juvenil de Poiares, com muito empenho e dedicação. Ao voltar ao Santuário, foram chamados ao altar, os representantes dos oito grupos da FS presentes em Portugal (SDB, FMA, SSCC, ADMA, VDB, AADB, AAFMA e Canção Nova). Fizeram a renovação anual do seu Compromisso Apostólico os Associados de Maria Auxiliadora e os Salesianos Cooperadores presentes.

O Sr. P. Provincial concluiu, reforçando a importância da missão na vida de cada um, agradecendo mais uma vez, o grande empenho de toda a Comunidade Local na preparação e realização desta Peregrinação, assim como a todos os participantes que deixaram o conforto das suas comunidades, cumprindo o desafio que habitualmente nos lança o Papa Francisco, de ir ao encontro dos outros. E deu a Bênção final á qual todo o povo respondeu com uma grande salva de palmas.

 E que a Mãe Auxiliadora nos encontre disponíveis para sermos um sinal da sua presença pelos nossos caminhos do dia a dia.

A oração no coração do Salesiano Cooperador

A oração no coração do Salesiano Cooperador

Ruben Hutabarat

Quando andava na catequese ensinaram-me que rezar era falar com Deus. Ao longo da vida foi-me incutido que da mesma maneira que falamos com os nossos pais, também devemos falar com Deus, porque Deus é um Pai amoroso que nos ama incondicionalmente e também Ele nos fala através da Sua Palavra. Com o tempo fui percebendo quão importante era este diálogo com Deus e fui entendendo que a oração é ser e estar diante de Deus colocando-nos atentamente e de corpo inteiro sempre numa atitude escuta d’Aquele que nos convida a um diálogo amigo. A Ele entregamos todos os pensamentos, tudo o que somos e experimentamos. Por todas estes motivos a oração passou a fazer parte da minha vida e da minha vocação. Percebo, por ela, o que Jesus nos diz: Quando rezardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o teu nome’.” (Lc 11,2).

Este tema da oração era entendido por Dom Bosco como relação amorosa, comunhão de pensamentos, afetos e sentimentos com Deus. Afirmava: “Rezar significa elevar o próprio coração a Deus e entreter-se com Ele por meio de pensamentos santos e sentimentos devotos” (Il cattolico, 87).

Durante os debates entre os cardeais para declarar Santo a Dom Bosco, um dos inquisidores perguntou, na tentativa de travar o processo: “Quando é que Dom Bosco rezava? Tanto era o tempo que passava com os rapazes no pátio que parece claro a todos que não tinha tempo para rezar.” Ao ouvir isto, o Papa Pio XI, que conhecia bem Dom Bosco, pois tinha passado alguns dias no Oratório, levantou-se e respondeu ao cardeal: “Eminência, seria melhor perguntar quando é que Dom Bosco não rezava! Tudo o que ele fazia era em união com Deus, em contínuo estado de oração.” (in Memórias Biográficas, Tomo XVII)

Dom Bosco não dedicava longos tempos à oração nem usava métodos ou formas especiais (bastavam-lhe as «práticas do bom cristão») porque ação e oração, nele, formavam um todo. O trabalho incansável em que se empenhava, de manhã à noite, não perturbava a sua oração, antes a conduzia e a orientava; e a oração cultivada no fundo do coração nutria nele renovadas energias de caridade para se dedicar com todas a suas forças ao bem estar dos seus jovens. (in CICFS art.º 36.º)

A oração, na espiritualidade salesiana, nasce da vida, do quotidiano… é uma oração apostólica. Enraizada na Palavra de Deus, é simples e confiante, alegre e criativa, impregnada de ardor apostólico. O Salesiano Cooperador faz da sua vida uma oração. Encontra Deus no quotidiano, nas coisas simples da vida e para alimentar a vida de oração, recorre às fontes espirituais oferecidas pela Igreja, pela Associação e pela Família Salesiana.

A oração é um dos caminhos que conduz à santidade!

Quaresma, um caminho de santidade

Quaresma, um caminho de santidade

A Quaresma é um tempo favorável que nos convida à renovação e ao crescimento espiritual. É uma graça e uma oportunidade para sairmos de nós mesmos e nos abrirmos ao mistério de Deus e ao amor do próximo. À luz de Deus entendemos a vida como um caminho para a plenitude e uma vocação para servir e dar frutos que nos enriqueçam a nós, aos outros, à família, às nossas comunidades, à Igreja e à sociedade. É um caminho de santidade! A santidade é o amor, é a vida de Deus em nós. É a seiva de Jesus Cristo que nos transforma e nos converte. Este caminho de santidade é construído no dia-a-dia da nossa vida. Os santos ensinam-nos esta verdade: santo é quem faz da sua vida um altar do amor. Eles atingiram a santidade, porque viveram a sua vida com todas as consequências da sua caminhada: erros, acertos, alegrias, tristezas. Se eles conseguiram, nós também conseguiremos: afinal a santidade é para todos. Deus deu-nos a vida para aprendermos nela a ser santos. Ser santo não é ser perfeito, pois para isso não era preciso procurar a santidade. Este pensamento remete-me para o canto “Venho, para aprender a ser santo, venho, pedir Senhor a tua ajuda. Quero, ser alegre e ser humilde, sei que com fé a vida muda. Perdoa-me, ensina-me Senhor, a ser melhor, a amar-te mais…”.Maravilhoso! É n’Ele e só n’Ele que encontramos o verdadeiro modelo de santidade. Não tenhamos medo das nossas imperfeições. Deus ama-nos como somos. Deus é amor. Façamos de cada dia, uma oportunidade de recomeçar. Experimentemos a misericórdia de Deus.

A oração e a penitência só têm sentido se nos levam a amar, mais e melhor. Então tudo deve convergir para uma caminhada que tem por meta o amor e só amando seremos mais santos, ficaremos preparados para a Páscoa, seremos discípulos amados do Mestre que foi à Cruz e deu a vida por nós. O amor de Deus é a única coisa capaz de fazer novas todas as coisas, incluindo a nossa própria vida.

No início deste ano pastoral fomos desafiados a fazer da nossa vocação um caminho de santidade. Que este tempo favorável da Quaresma nos ajude a consciencializar-nos de que só sendo santos seremos, de verdade, seguidores de D. Bosco e herdeiros do Seu carisma.

Santa Páscoa para todos!

Cantaram-se as janeiras

Maria José Barroso, Coordenadora Provincial ASC

Preservar e manter as tradições é transmitir a nossa História e cumprindo a secular tradição que encerra os festejos de Natal os salesianos cooperadores e os membros do grupo ADMA do Monte Estoril, acompanhados pelas suas delegadas, Ir. Maria de Lourdes Gomes e a Ir. Lea de Morais quiseram mais uma vez, repetir a tradição. É assim uma forma de dar boas vindas ao novo ano que, oficialmente, começa. E foi com muito entusiasmo e sem medo do frio que na primeira semana de janeiro fomos cantar as janeiras. Através da música transmitimos a alegria que nos caracteriza, anunciamos o nascimento do Deus-Menino e desejamos a todos um Feliz Ano Novo.

Deslocámo-nos à Residência dos Salesianos de Manique, onde fomos recebidos com o carinho habitual do seu diretor, Pe. David Bernardo e de todos os residentes que à medida que íamos entrando e cantando vinham ao nosso encontro. Também os idosos da Casa Arco-Íris, do Lar da Alapraia e dos Jardins de Cascais, foram presenteados com a nossa visita. As toadas harmoniosas de louvor ao Deus Menino e Sua Mãe encantaram e desejaram a todos um Feliz Ano Novo.

Os rapazes da Casa Jubileu, em Carcavelos, também receberam mais uma vez a nossa visita. Estes jovens recordam-nos que a simplicidade e a pobreza são uma condição comum a todos. Mas o Menino que agora nasceu não faz aceção de pessoas e também ali está para eles. Estes jovens, em situação de exclusão social fazem-nos um grande ato de caridade de nos ajudarem a tomar consciência dos muitos dons que recebemos gratuitamente. É desta forma que a santidade está ao alcance de todos. É uma missão para a vida dos outros.

No último dia fomos dar as Boas Festas às Monjas Concepcionistas, que habitam o Mosteiro da Ordem da Imaculada Conceição, no Monte Estoril e à Casa Provincial do Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, também na mesma localidade. Em todos os lugares por onde passámos fomos muito acarinhados.

É assim o carisma salesiano! E é desta forma que procuramos viver a nossa santidade na vida quotidiana. Fazemo-nos santos no encontro com os irmãos.

Feliz Ano Novo

 

Apresentação do lema 2019 – Fátima

Maria José Barroso, Coordenadora Provincial ASC

Sob o olhar materno de Maria, a Família Salesiana de Portugal reuniu-se em Fátima, no passado dia 12 de janeiro, para refletir o Lema do Reitor-Mor (RM) que este ano assenta no tema: “Para que a minha alegria esteja em vós” (Jo 15,11) – A santidade é também para ti”.

 O encontro decorreu no Grande Auditório do Centro Pastoral Paulo VI e contou com a presença de oitocentos convidados, membros dos vários grupos que constituem a Família Salesiana: Salesianos, Filhas de Maria Auxiliadora, Salesianos Cooperadores, Associados de Maria Auxiliadora, Antigos Alunos e Alunas de D. Bosco, Voluntárias de D. Bosco, Canção Nova, o grupo MJS e ainda membros das Comunidades Educativas Pastorais e Paroquiais, bem como os /as amigos/as e Simpatizantes com a missão salesiana, e os próprios jovens mais crescidos e comprometidos.

Inspirado na Exortação Apostólica do Papa Francisco Gaudete et exsultate, este tema é um  forte apelo à santidade. A santidade não é privilégio, mas vocação para todos os cristãos, porque corresponde ao projeto fundamental de Deus sobre nós. É com esta convicção que este ano somos chamados a viver a vida como vocação e como chamamento à santidade.

O encontro teve início com a saudação do Provincial dos Salesianos, Pe. José Aníbal Mendonça a todos os presentes e a oração da manhã, dinamizada pelo Pe. Álvaro Lago, delegado nacional da Pastoral Juvenil dos Salesianos em Portugal.

Seguiu-se a Apresentação do Lema do RM, pelo Provincial dos Salesianos, Pe. José Aníbal Mendonça e pela Provincial das Filhas de Maria Auxiliadora, Ir. Rosa Cândida.

O segundo momento contou com um painel de testemunhos de vida, riquíssimo, sobre o tema da santidade. Os testemunhos apresentados permitiram-nos concluir que a santidade está mesmo ao alcance de todos. Deus mostrou grande amor para com a Família Salesiana de Dom Bosco enriquecendo-a com a santidade de tantos e tantos dos Seus filhos.

O Pe. Sílvio apresentou o livro “Como Estrelas no céu” editado por Don Pierluigi Cameroni, Postulador-Geral da Família Salesiana. O apostolado de Dom Bosco foi dedicado para educar os jovens à santidade. Este livro elenca 166 santos, beatos, veneráveis e servos de Deus entre seus alunos, colegas, irmãos, irmãs e seguidores, que já receberam a graça da santidade. A cada um é dedicada uma breve biografia.

Este encontro de família terminou ao final da manhã com a celebração da Eucaristia na Capela da Morte do Senhor, na Cripta da Basílica da Santíssima Trindade, presidida pelo Provincial dos Salesianos, Pe. José Aníbal Mendonça.

Que Nossa Senhora Auxiliadora nos ajude a percorrer este caminho de vida e nos ajude a fazer da nossa santidade uma missão para a vida dos outros.